Fevereiro 18, 2018

Breve História

Espite
Hospitium -> Hospite -> Espite

 

· Achados na base do Cabeço de Óbidos e Ribeira de Espite (Arrochela) indiciam actividade humana nestas paragens, há, pelo menos, 25.000 anos. · Há cinco milénios, na Idade do Cobre ou Calcolítico, existiu uma numerosa e florescente comunidade humana na Arrochela. Provam-no 32 machados de cobre pertencentes a uma oficina de serralheiro, encontrados junto da Ribeira da Freiria, no inverno de 1877. ·Os Romanos dominaram e administraram essa comunidade, sujeitando-a à «Civitas de Collipo», actual Leiria, cerca de 63 (a.C.). Em 476 os Visigodos, Suevos, etc., sucederam aos Romanos, na colonização do País e de Espite. · A partir de 711, vindos do Norte de África, os Árabes colonizam a Península e controlam a Arrochela, impondo a sua lei e civilização.

· Da Reconquista Cristã, resulta a formação de Portugal. Após a conquista aos Mouros da praça de Leiria, em 1135, por Afonso Henriques, iniciou-se a formação de paróquias urbanas e rurais.

· Aventa-se a hipótese de Espite ter nascido em 1189. Porém, é pelo Compromisso de 1211, celebrado entre Santa Cruz de Coimbra e os Clérigos de Leiria, que é notória a existência da paróquia de Espite.

· Com a sua integração na Diocese de Leiria criada em 1545, Espite deixou de ser disputada entre o bispado de Coimbra e Santa Cruz.

· Por 1529, a Caranguejeira que integrava a freguesia de Espite, adquire o estatuto de quase paróquia, alcançando a autonomia completa em data desconhecida, porém, antes de 1560.

· Após 625 anos ininterruptos ligada a Leiria, Espite, por decreto de 6 de Novembro de 1836, é transferida para o concelho de Pombal.

· Escassos 19 anos depois, por decreto de 24 de Outubro de 1855, Espite é adicionada ao concelho de V. N. de Ourém, em compensação pela perda da freguesia da Sabacheira.

· No ano de 1881 é criada a primeira Escola do Ensino Primário Elementar, 1.º grau, masculina, regida pelo Professor, José d’Oliveira Vicente.

· A 25 de Julho de 1897, toma conta da paróquia de Espite, o pároco, António Pereira Simões. O seu dinamismo e amor pela instrução levaram-no a pugnar pela abertura de escolas por toda a freguesia. A expensas suas, construiu as escolas do Cercal e do Pisão, que doou ao Estado, o que lhe valeu ser condecorado pelo Ministério da Instrução.

· Em 1984, após um processo algo doloroso, são desanexadas de Espite duas novas freguesias: Cercal e Matas.

· Após a emigração maciça que exauriu Espite do seu melhor capital, o humano, e a recente amputação de mais de metade do seu território pela autonomia das Matas e do Cercal, Espite luta  para fugir à desertificação e consequente estagnação. Aplanar as ligações com Leiria, sua aliada natural, concorrerá, assim o cremos, para fugir ao flagelo da desertificação.

Elaborado por Jacinto Gonçalves